34º JAI -Jornadas de Atualização em Informática

PROGRAMAÇÃO

Todos os JAIs têm a duração de 6 horas

 


JAI 1: Teoria da Computação: Uma Introdução à Complexidade e à Lógica Computacional - 20/07

Celina Figueiredo (UFRJ)
Luis Lamb (UFRGS)
RESUMO: A teoria da computação é uma área de pesquisa abstrata e matemática, e é motivada pelos desafios da prática da computação. O objetivo da teoria da computação é explorar e entender a natureza da computação, de modo a oferecer metodologias eficientes e corretas. Este curso apresenta uma introdução à duas subáreas fundamentais da teoria da computação: complexidade e lógica computacional. Estas duas áreas têm contribuído significativamente para o desenvolvimento da Ciência da Computação, nao somente do ponto de vista fundamental, mas também sob uma perspectiva de aplicações. 

 


JAI 2: Computação Urbana: Técnicas para o Estudo de Sociedades com Redes de Sensoriamento Participativo - 20/07

Thiago Silva (UFMG)
Antônio Alfredo Ferreira Loureiro (UFMG)
RESUMO: A computação urbana é um tema recente de pesquisa que visa obter e analisar dados urbanos de diversas fontes, como das tradicionais redes de sensores sem fio (RSSFs) e das emergentes redes de sensoriamento participativo (RSP), para entender e tratar questões enfrentadas pelas cidades. As RSPs são particularmente interessantes nesse caso, pois contam com a colaboração dos usuários no sensoriamento urbano, permitindo a observação das ações das pessoas em larga escala em (quase) tempo real durante longos períodos de tempo. Dados de RSPs aumentam o nosso conhecimento sobre diferentes aspectos de nossas vidas em cenários urbanos o que pode ser bastante útil no desenvolvimento de aplicações mais sofisticadas em diversos segmentos, principalmente os relacionados com o entendimentos de sociedades urbanas. O objetivo deste minicurso é apresentar o conceito de computação urbana e de sensoriamento urbano com redes de sensoriamento participativo. Visamos mostrar a relevância da computação urbana e motivar a construção de novas aplicações que sirvam para tratar questões relacionadas com a dinâmica de cidades e do comportamento social urbano. Além disso, este minicurso discutirá como trabalhar com RSPs, analisando as suas propriedades e a sua utilidade no desenvolvimento de novas aplicações na área de computação urbana.

 


JAI 3: Introdução à Otimização Combinatória - 21/07

Flávio Miyazawa (UNICAMP)
Cid C. de Souza (UNICAMP)
RESUMO: Grande parte dos problemas computacionais são de natureza discreta e envolvem a busca por uma solução atendendo certas propriedades, sendo que as possíveis alternativas crescem de forma combinatória. Um exemplo clássico é o problema de ordenação, onde se deseja encontrar uma permutação de uma sequência com ordenação não-decrescente. Além disso, problemas reais deste tipo tornam-se ainda mais complexos quando existe limitação nos recursos disponíveis e se quer otimizar alguma medida específica. Considere, por exemplo, a malha viária de uma cidade e pontos onde funcionários tomam um ônibus fretado com capacidade suficiente para transportá-los até uma empresa. O ônibus deve sair da garagem, pegar os funcionários nos pontos, e levá-los ao trabalho. Sendo a malha conexa, qualquer permutação dos pontos define uma possível rota para o ônibus. Porém, quando consideramos o custo do transporte, usualmente proporcional à distância total percorrida pelo veículo, é desejável que o ônibus siga por uma rota de menor percurso. Este é um típico problema de otimização combinatória. Além do roteamento de veículos, inúmeras outras aplicações podem ser encontradas nas mais diversas áreas do conhecimento. Neste minicurso apresentaremos algumas das principais técnicas algorítmicas para tratamento de problemas de otimização combinatória.

 


JAI 4: IFML - A Linguagem de Modelagem de Fluxo de Interação: O novo padrão OMG para integrar o design de front-end com os modelos de sistema e de negócio - 21/07

Raul Wazlawick (UFSC)
RESUMO: A Linguagem de Modelagem de Fluxo de Interação (IFML) foi adotada como padrão pela OMG (Object Management Group) em março de 2013. Ela complementa a UML que não tem qualquer diagrama projetado especialmente para a modelagem de interfaces com usuário final. Este curso mostra como projetar interfaces Web para sistemas de informação usando IFML. Inicialmente, apresentamos os componentes de exibição de IFML, que são usados em conexão com um diagrama de classes de design ou diagrama entidade-relacionamento para apresentar e adquirir informações de uma interface de usuário final. Apresentamos também a integração dos componentes de exibição e os seus fluxos em páginas e áreas, bem como alguns padrões de design de interface. Finalmente apresentamos componentes de operação IFML, que podem ser usados em conexão com os componentes de exibição para definir as operações básicas sobre objetos. O curso termina com a apresentação de uma interface CRUD completa modelada em IFML e o design de uma interface para um caso de uso de alto nível.  

 


JAI 5: Uma Introdução à Complexidade Parametrizada - 23/07

Vinícius dos Santos (CEFET - MG)
Uéverton Souza (CEFET - RJ)
RESUMO: A solução para diversos problemas reais frequentemente exige uma abordagem algorítmica, com a posterior implementação em algum sistema. Tipicamente tanto o volume de dados como a frequência de acessos ao sistema são grandes, sendo portanto necessários algoritmos {\em eficientes} (tradicionalmente de tempo polinomial). A teoria da NP-completude foi desenvolvida para determinar quais problemas provavelmente não podem ser resolvidos por algoritmos polinomiais. Entretanto, como muitos problemas NP-completos precisam ser resolvidos na prática, uma possibilidade é recorrer a um algoritmo aproximativo ou heurístico em vez de um algoritmo exato. Uma recente e promissora alternativa para a tratabilidade desses problemas, é recorrer a uma análise sob o ponto de vista da {\em Teoria da Complexidade Parametrizada}. Esta teoria, desenvolvida por Downey e Fellows, estuda a existência de algoritmos cuja complexidade exponencial depende apenas de certos aspectos da entrada, tais algoritmos são denominados tratáveis por parâmetro fixo (ou simplesmente algoritmos FPT). Este curso introduzirá os conceitos formais da complexidade parametrizada, técnicas básicas de desenvolvimento de algoritmos FPT, tais como árvores de altura limita e redução a um núcleo, e também técnicas para resultados negativos, para problemas onde não se espera ser possível desenvolver algoritmos FPT. Os exemplos utilizados serão focados em problema em grafos.

 


JAI 6: Simulação de Robôs Móveis e Articulados: Aplicações e Prática - 23/07

Fernando Osorio (USP - SC)
Rafael Berri (USP - SC)
RESUMO: Este curso visa apresentar uma introdução aos principais conceitos da área de robótica móvel e sobre robôs articulados, através de uma abordagem baseada em simulações e orientada a exemplos práticos apresentados no curso, os quais serão disponibilizados e poderão ser testados pelos participantes. A robótica móvel inteligente é uma importante área em grande expansão na atualidade, onde está diretamente relacionada ao projeto de robôs móveis, veículos autônomos, robôs humanoides, braços manipuladores e robôs aéreos. A ferramenta adotada neste mini-curso permite simular diferentes tipos de robôs móveis e articulados, além de sensores e outros elementos que podem compor o ambiente virtual de simulação montado pelo usuário. Neste mini-curso serão abordados os conceitos sobre sensores, atuadores, configuração de robôs (modelos cinemáticos), e sobre a programação de comportamentos inteligentes, ou seja, a implementação de comportamentos integrando a percepção-decisão-ação do robô. O simulador adotado permite reproduzir situações reais com um alto grau de realismo 3D, além de permitir a realização de testes com variados modelos de robôs e de sensores. O curso provê um contato direto com a robótica e com inúmeras possibilidades de desenvolvimentos de estudos e pesquisas, usando um simulador que reproduz de modo bastante fiel as aplicações robóticas do mundo real.

 


 
 
 CHAMADA DE PROPOSTAS

 

As Jornadas de Atualização em Informática (JAI) constituem um dos mais importantes eventos acadêmicos de atualização científica e tecnológica da comunidade de Ciência da Computação do Brasil. Ministradas por pesquisadores sênior da nossa comunidade, as JAI oferecem uma oportunidade única para acadêmicos e profissionais de informática se atualizarem em temas diversos com líderes de áreas de pesquisa no Brasil.

 

As JAI, tradicionalmente realizadas em conjunto com o Congresso da SBC, são formadas por um conjunto de minicursos de seis horas de duração cada, enfocando temas avançados, mas ao mesmo tempo maduros, que não fazem parte dos currículos regulares de cursos de graduação.

 

Em 2015, serão selecionados até 6 minicursos, dos quais pelo menos 2 na Área de Teoria da Computação, como forma de registrar a criação da Comissão Especial e Grupos de Interesse da área no seio da SBC no ano de 2014.

 

Na seleção dos cursos será levada em conta a senioridade do palestrante, competência demonstrada na sua área de atuação, importância e abrangência do tema proposto, e potencial para despertar o interesse de jovens estudantes e acadêmicos.

 

Todo o processo de submissão e seleção será conduzido usando o sistema JEMS da SBC. Os autores que ainda não têm registro no sistema JEMS deverão registrar-se antes de submeter a proposta. Sugere-se que o registro seja feito com bastante antecedência para que haja tempo de o sistema enviar a senha que será indispensável para realizar a submissão.

 

DATAS IMPORTANTES

 

Submissão da proposta de curso – 07 de março de 2015 (um único arquivo PDF)
Resultado da avaliação das propostas – 05 de Abril de 2015
Submissão do texto completo para o curso – 18 de Maio de 2015
Resultado da avaliação do texto e solicitações de modificação – 01 de Junho de 2015
Submissão da versão definitiva – 08 de Junho de 2015.

 

FORMATO DA PROPOSTA

 

Docentes e pesquisadores interessados devem submeter suas propostas pelo sistema JEMS https://submissoes.sbc.org.br/ até a data limite de ***** 07/03/2015 ***** conforme as instruções abaixo.

 

Cada proposta de curso deve estar contida em um único arquivo em formato PDF e seguir a estrutura abaixo; caso contrário, será rejeitada sem ser analisada.

 

1. Dados de identificação (uma página)
   - título do minicurso;
   - autor(es) (instituição de origem, endereço, telefone, e-mail);
   - nome do apresentador do curso (se houver dois autores).

 

2. Resumos em português e em inglês, até 200 palavras cada (uma página).

 

3. Dados gerais (uma página)
  - objetivos do curso e tratamento dado ao tema, por exemplo: teórico ou prático, apanhado geral de resultados ou aprofundamento em aspectos específicos, apresentação ou comparação de tecnologias, formação de novas habilidades ou informação;
  - perfil desejado dos participantes;
  - infra-estrutura física necessária para a apresentação, por exemplo: retroprojetor, microcomputador com canhão de projeção, sistema de som, equipamentos especiais.

 

4. Estrutura detalhada do texto (oito a dez páginas)
 - o texto de cada curso constituirá um capítulo do livro e deverá ser constituído de seções e subseções;
 - cada seção e subseção deverá ter uma descrição precisa do seu conteúdo de maneira que seja possível avaliar o texto.

 

5. Bibliografia utilizada na preparação do curso (no máximo uma página).

 

6. Curriculum vitae resumido do(s) autor(es) (no máximo uma página para cada autor), incluindo uma seleção de publicações consideradas importantes para a proposta.

 

PROCESSO DE SELECAO

 

O processo de seleção tem duas etapas. Na primeira, são selecionadas propostas de cursos. Na segunda etapa, os textos finais submetidos são avaliados, podendo ser desqualificados se não atenderem às condições necessárias a um texto para curso JAI.

 

Seleção inicial - A seleção inicial das propostas será feita com base em um processo classificatório, com avaliação e discussão das propostas pelo Comissão de Avaliação. Os critérios de seleção incluirão:
  - competência demonstrada do(s) proponente(s) na área do curso
  - qualidade da proposta
  - maturidade do assunto proposto
  - importância e abrangência do tema proposto, refletindo uma visão ampla de algum tópico
  - curriculum vitae do(s) proponente(s)
  - distribuição dos assuntos em várias áreas da Computação
  - aderência às instruções desta chamada

 

Importante: As JAI são minicursos voltados a apresentar técnicas estabelecidas que são importantes na área acadêmica ou profissional, mas que muitos alunos não teriam oportunidade de cursar nas suas instituições de origem. Assim, o curso não deve refletir a visão específica de um único grupo de pesquisa na área proposta. Não serão aceitas propostas voltadas à divulgação de resultados de teses, dissertações, projetos de pesquisa, manuais de sistemas, entre outros.

 

A Comissão de Avaliação prefere propostas submetidas por um único autor mas, excepcionalmente, serão aceitas propostas com dois autores, sendo que ambos devem ser pesquisadores experientes. Neste caso, deverá ser indicado, no momento da submissão da proposta, aquele que ministrará o curso. Serão cobertas despesas de viagem e de estadia apenas para UM instrutor de cada curso selecionado.

 

Os autores de propostas selecionadas para a fase seguinte serão notificados até o dia *** 05/04/2015 ***.

 

TEXTO DO CURSO

 

Os proponentes das propostas selecionadas deverão preparar um texto de 40 a no máximo 50 páginas com o material didático do seu curso para ser incluído como um capítulo do livro a ser publicado. O texto passará por uma avaliação de revisores especializados; sua aprovação é uma condição para que o curso seja incluído no programa final das JAI.

 

Os autores deverão entregar os textos a serem incluídos no livro até o dia ***18/05/2015***. Este texto será revisto por pelo menos dois integrantes do Comitê Editorial a ser formado após a seleção, em função das áreas cobertas; este período de revisão deverá ser concluído até o dia ***01/06/2015***. Os critérios de revisão dos textos incluirão:


 - aderência à proposta inicial
 - corretude técnica do texto
 - qualidade da escrita: estilo, erros, exagero no uso de termos estrangeiros, etc.
 - estrutura do texto
 - aderência às instruções sobre a formatação do texto
 - qualidade das figuras, tabelas, equações, entre outros
 - qualidade dos resumos em português e em inglês

 

A Comissão se reserva o direito de rejeitar trabalhos que apresentem problemas relacionados a esses critérios que sejam inviáveis de correção em tempo hábil.

 

FORMATO DO TEXTO FINAL

 

Os textos finais serão aceitos somente se produzidos utilizando o sistema LaTeX ou então Word da Microsoft (ou compatível). O formato exato para a entrega desses textos será divulgado oportunamente aos autores cujas propostas iniciais forem aceitas. Os autores deverão incluir todo o material necessário para que a Editora que publicará o livro possa gerar a versão final.

 

Após a primeira revisão, os autores deverão atender às críticas e às sugestões dos revisores e entregar os textos finais no prazo máximo de uma semana após a recepção das avaliações dos revisores. Poderá haver mais revisões, inclusive da própria Editora; neste caso, os autores deverão atender às críticas e às sugestões no prazo máximo de três dias.

 

Os autores dos textos a serem publicados deverão assinar um documento cedendo os direitos autorais à Sociedade Brasileira de Computação (SBC). O não cumprimento dos prazos ou o não atendimento aos pareceres dos revisores acarretará a exclusão da proposta do programa das JAI.

 

COORDENAÇÃO

 

Cláudia Linhares Sales (UFC) – coordenadora geral
Henrique Rebêlo (UFPE) – coordenador local

 

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO

 

Cláudia Linhares Sales (UFC) - coordenadora
Alba Melo (UNB)
Bernadette Lóscio (UFPE)
David Deharbe (UFRN)
Jaime Sichman (USP)
Leonardo Sampaio (UECE)
Taisy Weber (UFRGS)
Thiago Noronha (UFMG)

 

Qualquer dúvida deve ser encaminhada diretamente para a coordenação do 34º JAI (Cláudia Linhares Sales <linhares@lia.ufc.br>). 

Realização

Patrocínio

Diamante

Platina

Ouro

Prata

Bronze

Apoio

Desenvolvido por: